"Fale com Sua Mãe!"

MARCOS GARCIA


Certamente, se você é pai, em algum momento usou esta expressão! Porém, quero refletir neste momento com você, homem, pai, seu papel no lar e se você de fato tem exercido o privilégio de ser pai e as responsabilidades que isso traz.

Em função da correria dos nossos dias, o esforço para ganhar dinheiro, dar “o melhor” para os nossos filhos, o cansaço e o estresse acabam por nos afastar dos nossos filhos, em especial das nossas responsabilidades.

Ao delegar tudo para a mãe, como por exemplo, as decisões, o que os filhos vão fazer, aonde eles poderão ir, etc., entra em cena o famoso “fale com sua mãe!”. Estamos negligenciando nosso compromisso com Deus, com a Palavra do Senhor e com nossos filhos. Estamos criando a figura de um pai distante, alguém ausente, sem autoridade e presença no lar. Alguém que foi chamado somente para pagar as contas, mesmo que a mãe também tenha um papel secular.

O que está acontecendo? Você é do tipo de pai que não quer problemas? Se você é pai, não dá mais para correr! Não existe a possibilidade de não se envolver (“Eis que os filhos são herança do Senhor” – Salmos 127:3). O Senhor Deus confiou a você um filho, uma filha, quantos forem! Eles são seus, e não há a possibilidade de empurrar para a mãe! Assuma uma postura e diga: eu sou seu pai!

Por que isso? Você me acha alguém ultrapassado? Nada disso, é pelo bem da sua casa, de sua esposa e de seus filhos! É simplesmente o que está na Palavra do Senhor! No antigo Testamento, em Deuteronômio 6: 6-9, cabia ao pai orientar, educar, inculcar nos filhos a Palavra do Senhor, os ritos sacerdotais em família, como, por exemplo, a celebração da Páscoa.

Era fundamental e ativo o papel do pai. No Novo Testamento, os pais são chamados para educar seus filhos e não irritá-los, mas criá-los na disciplina do Senhor (Efésios 6:4). Assim, cabe ao pai entender seu papel no lar. Numa sociedade em que a questão da família fica a cada dia mais desconfigurada, seus filhos precisam de um referencial. Um homem de atitude, que tome decisões que influenciem seus filhos. Um homem que se torne um modelo, que tenha em suas mãos a Palavra do Senhor, para educar seus filhos.

Lembre-se: se você não for o referencial do seu filho, alguém será; se você não educá-lo, alguém fará isso em seu lugar. Qual será sua desculpa? Se você agir de acordo com a Palavra do Senhor, será mais fácil para seus filhos reconhecerem em Deus um amor paterno. Em toda a Palavra, Deus se apresenta como pai. Essa é uma figura forte, de um pai cuidador, provedor, presente em toda e qualquer situação. De um pai que ama incondicionalmente seus filhos, a ponto de entregar seu próprio filho para nossa salvação.

Você tem sido um pai que tem amado seus filhos “até o fim”? Será que tem sido fiel e atento aos seus filhos como é para as redes sociais, smartphones, tablets, programação da TV, etc.? Quanto tempo você tem dedicado aos seus filhos? Quando eles querem conversar, você tem estado atento às necessidades deles, se dispõe a ouvir, a falar? A vida passa muito depressa, e se você não prestar atenção, não verá seus filhos crescerem... e depois pode ser muito tarde para tentar ensiná-los a amar. Através de você, eles podem ver o amor de um Pai perfeito, o nosso Deus! Invista tempo nos seus filhos e assuma seu papel em casa. Comece a dizer hoje: fale comigo!

Marcos Antônio Garcia é pastor metodista há 33 anos e atualmente pastoreia a Igreja Metodista de Santo Amaro, em São Paulo. É doutor em Ciências da Religião e Sociedade, professor no Centro Metodista de Capacitação e realiza palestras e ministrações para encontro de casais e família. É casado com Ivana há 27 anos e tem dois filhos: Mateus e Larissa.

Texto retirado da Revista Lar Cristão, Ano 29, nº 143, págs.40 e 41.

Seja o primeiro a comentar!

Restam caracteres. * Obrigatório
Digite as 2 palavras abaixo separadas por um espaço.